Amadurecimento e renascimento

2018-09-28T11:56:01+00:00

Você se reconhece ao ler o texto abaixo? Ele tem alguma relação com o modo de pensar de algum amigo ou parente?

Preciso ser amado e cuidado em tudo por todos e só no que me interessa, sem que ninguém possa exigir qualquer esforço ou compensação por isso. O que importa são apenas meus próprios desejos, interesses e necessidades; ninguém que seja importante para mim pode ter quaisquer interesses, desejos e necessidades diferentes dos meus e, se tiver, precisa subordiná-los aos meus, sem nenhum ressentimento ou solicitação; na verdade, seu prazer e alegria devem estar de acordo com os meus desejos. Se isso ocorrer, serei bom, agradável e feliz, mas é só isso. Se isto não ocorrer, será terrível, tanto para o mundo como para mim. – Livro “A Falha Básica” do médico e psicanalista húngaro Michael Balint

Essa maneira de enxergar o mundo é a origem de muitos sofrimentos, problemas pessoais, políticos e até financeiros. Se você se identifica com esses pensamentos, você certamente sofre uma séria limitação na forma como enxerga o mundo e certamente isso produz consequências negativas que afetam o seu desempenho em diversas áreas da vida.

No projeto de educação financeira que desenvolvo, através do site Clube dos Poupadores, todos os dias eu me deparo com pessoas mergulhadas nesses padrões de pensamentos e sentimentos. É como se estivessem mergulhadas em uma profunda piscina, de onde não conseguem sair. Elas sentem que existe alguma coisa errada, mas não percebem que precisam sair de onde estão.

Mesmo estando liberto dessa visão de mundo, você sente pelos seus amigos e parentes que estão imersos nisso. Você sofre as consequências de viver em um mundo repleto de pessoas que possuem essa visão e de outras que exploram quem pensa assim.

Preciso ser amado e cuidado em tudo por todos e só no que me interessa, sem que ninguém possa exigir qualquer esforço ou compensação por isso.

Se durante a sua vida adulta, você continuar imaginando que tem o direito de ser cuidado por todos, e que essa é uma obrigação dos seus familiares, da empresa onde você trabalha (seu chefe), da sociedade e até do governo (e seus políticos), sua vida será seriamente limitada.

Se você não cuidar da sua vida e das coisas que te interessam com o objetivo de prosperar e crescer, pode ter certeza que ninguém fará isso por você.

Para tornar as coisas mais difíceis, existem pessoas que sabem que muitos acreditam nesses “direitos sem deveres” ou em “direitos sem esforço e compensações” e essas pessoas vão aproveitar esse seu modo de pensar. Elas vão tirar proveito disso, sem que você perceba.

Veja o caso dos políticos. Os mais votados são sempre aqueles que prometem um governo que cuidará de você, dando somente naquilo que te interessa (não naquilo que você precisa), sem exigir de você qualquer esforço ou compensação. Os políticos entendem que você busca alguém que possa transferir esse custo para toda a sociedade. É como se todos devessem algo a você.

Esse modo de pensar é um grande problema.

Se por algum motivo, você acredita que um governo deve cuidar de você como se fosse o seu pai, esse pai aparecerá e te dominará.

Se você acredita que um patrão deve cuidar de você como uma mãe cuida dos seus filhos. Essa mãe aparecerá e te dominará.

Se você acredita que bancos e empresas devem cuidar de você como se fossem seus amigos. Esse amigo aparecerá e te dominará.

Se você acredita que alguém deve cuidar de você como se fosse um pastor que cuida de um rebanho de ovelhas. Essa pastor aparecerá e te dominará como uma ovelha.

Todo o seu tempo será destinado a procurar alguém que cuide de você. Você vai se decepcionar e passará o restante dos seus dias reclamando de todos que não cuidam de você como você acha que deveria ser cuidado.

Você passará uma vida inteira lutando para que os outros cuidem dos seus interesses sem exigirem esforço de sua parte. Isso significa passar a vida imerso em uma grande piscina de ilusões.

O que importa são apenas meus próprios desejos, interesses e necessidades; ninguém que seja importante para mim pode ter quaisquer interesses, desejos e necessidades diferentes dos meus e, se tiver, precisa subordiná-los aos meus, sem nenhum ressentimento ou solicitação;

Além dos políticos, as empresas compreendem claramente que podem te dominar se fizerem você acreditar que elas podem assumir esse papel de satisfazer todos os seus desejos, interesses e necessidades com o mínimo esforço. Elas fazem isso sem que você perceba que, por trás, existem interesses diferentes dos seus.

Nos dias de hoje, as grandes mentes da humanidade estão trabalhando em grandes empresas, recebendo os melhores salários, para pensarem em formas de satisfazer desejos e minimizar seus esforços.  O grande problema é que nem sempre aquilo que você deseja é aquilo que você precisa. Para as empresas, a única coisa que importa é satisfazer seus desejos. Se isso é bom ou ruim, o problema é seu.

…na verdade, seu prazer e alegria devem estar de acordo com os meus desejos. Se isso ocorrer, serei bom, agradável e feliz, mas é só isso. Se isto não ocorrer, será terrível, tanto para o mundo como para mim.

Um dia, todos nós já pensamos que o prazer e a alegria da nossa mãe e pai deveriam estar de acordo com os nossos desejos. Em algum momento, percebemos que nem sempre isso era verdade.

Você provavelmente já viu alguma criança chorando no chão de alguma loja ou supermercado, vivenciando um ataque extremo de raiva, decepção e desespero diante de uma mãe ou de um pai que se recusa a atender um desejo. É como se o mundo estivesse acabando.

Existem pessoas que entram na vida adulta e continuam se comportando exatamente com o texto inicial e a foto acima. O problema que antes ocorria somente em casa, passa a acontecer nas relações entre amigos, no trabalho, nas relações com outras pessoas até nas relações de consumo.

Esse pequeno texto, no início do artigo, faz parte de um livro chamado “A Falha Básica” do médico e psicanalista húngaro Michael Balint. O texto retrata aquilo que o autor chamava de amor primário. Representa a nossa dependência materna. Se um bebê pudesse expressar o que sente na relação com a sua mãe, isso seria muito semelhante ao texto apresentado por Michael Balint. 

As pessoas que vivem identificadas com esse modo de pensar imaturo, são pessoas que ainda vivenciam uma experiência infantil. É o que podemos chamar de alguém que não amadureceu completamente, que continua como um fruto verde. O amadurecimento é um processo lento, mas que deveria estar presente na vida adulta.

Isso significa que todos nós já vivenciamos esse “aprisionamento” nos primeiros anos da nossa vida. Se tudo correr bem com o nosso amadurecimento, conseguimos emergir para respirar sozinhos.

Esse amadurecimento humano representa um “segundo nascimento”.

Uma pessoa madura ou que está buscando o completo amadurecimento, deveria pensar da seguinte forma:

Não preciso mais ser cuidado em tudo por todos. Assumi a responsabilidade de cuidar de mim e do que me interessa. Sei que isso exige esforço, sei que as pessoas exigem as devidas compensações quando cuidam de mim. Meus próprios desejos, interesses e necessidades só importam a mim. Eu permito que as pessoas importantes para mim tenham seus próprios interesses, desejos e necessidades. Eu permito que elas sejam diferentes de mim e não terei nenhum ressentimento por isso. Na verdade, os prazeres e as alegrias das outras pessoas podem estar em desacordo com os meus desejos. Independente das diferenças, serei bom, agradável e feliz, pois isso será ótimo, tanto para o mundo como para mim.

É fácil observar a enorme diferença entre as duas formas de pensar.  A primeira é dependente, limitante e representa um aprisionamento. Essa segunda promove independência, expande as possibilidades e representa a verdadeira liberdade.

O primeiro passo para o amadurecimento é conseguir trazer para a consciência o nosso comportamento infantil. Aos poucos devemos nos livrar daquilo que Michael Balint chamava de “tendência a agarrar-se”, que pode ser visto no bebê quando instintivamente ele se agarra a qualquer objeto que se aproxime de suas mãos.

Amadurecer significa abrir os olhos para o fato de que devemos nos desagarrar para poder emergir, como um segundo nascimento, onde deixaremos para trás os padrões que só faziam sentido na nossa infância.

É o nascimento do verdadeiro adulto. Assista ao vídeo abaixo em tela cheia clicando aqui ou clique na figura abaixo para assistir.

“O vídeo representa, simbolicamente, o segundo nascimento que ocorre na fase adulta. Sua vida começou imersa nos líquidos do ventre materno. Sua segunda vida começa imersa nas emoções e pensamentos do seu interior. As profundezas sempre representaram aquilo que temos de inconsciente. Por muito tempo, na vida adulta, vivemos como se estivéssemos de olhos fechados em um profundo poço de emoções, sentimentos e pensamentos que não possuem mais sentido nessa fase madura da vida. Em algum momento é necessário abrir os olhos nessas profundezas, olhar para cima e nadar para emergir até a superfície, onde poderemos respirar livremente pela segunda vez. Essa superfície é a vida consciente, um ambiente menos denso, iluminado pelo conhecimento e a sabedoria que só a chegada da maturidade pode proporcionar. Nossa jornada até a superfície representa um renascimento, algo como uma ressurreição (ato de ressurgir). Esse processo não pode ser evitado, mas algo dentro de nós irá resistir até o último minuto.” 

Se você de reflexões como as propostas neste artigo, você gostará do meu novo curso, visite aqui para saber mais.

Gostou do artigo? Receba um aviso por e-mail quando novos artigos forem publicados no site.

Sobre o Autor:

Estou sempre estudando e compartilhando novos conhecimentos com os meus leitores. Sou como um construtor de pontes, que facilitam o seu acesso ao seu desenvolvimento pessoal, profissional e financeiro.

19
Deixe um comentário

avatar
1000
9 Comment threads
10 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Flávio Roberto Gomes GiraldiRenata RibeiroDouglasLeandro ÁvilaSérgio Monteiro Lopes Recent comment authors
Marcos Fermino
Visitante
Marcos Fermino

Olá Leandro. Acompanho os seus artigos e ainda me surpreendo com sua capacidade de estudar e captar as nuances do ser humano. Essa questão do amadurecimento pleno, onde as pessoas assumem as rédeas de sua vida, finanças e tudo o mais, é extremamente complexa. O amadurecimento coloca nos ombros da pessoa uma carga de responsabilidades, mas traz uma liberdade muito boa, com um leque de possibilidades muito interessante do ponto de vista de resultados pessoais e profissionais. Acho que caminhamos (vagarosamente, na minha opinião) para esse processo, mas ainda vão acontecer choques de realidade com muitas pessoas acostumadas à tutela… Ler mais »

Weder
Visitante
Weder

Excelente..
Leandro, estou inclinado a fazer o curso “Resistência”, mas como estou fazendo outros dois cursos, tenho receio de não conseguir dar a devida atenção, pergunto: Há interações no curso do tipo postar respostas?
Já adquiri seus livros e o material é excelente… espero que o curso mantenha o mesmo nível.

Felipe Tágory
Visitante
Felipe Tágory

Muito Obrigado por compartilhar seus valiosos conhecimentos e reflexões!

Mirela Sousa
Visitante
Mirela Sousa

Oi Leandro!
Adorei este artigo. Parabéns!
Quando amadurecemos, de fato é um segundo nascimento. Coisas que antigamente dávamos importância, com o amadurecimento não as damos mais.
O amadurecimento por vezes pode doer, e não existe evolução sem dor, porém é muito melhor que a estagnação e suas maléficas consequências.

ALEXSANDRO SILVA SANTANA
Visitante
ALEXSANDRO SILVA SANTANA

Excelente Artigo Leandro, meus parabéns!
Você mergulhou fundo, assim como a moça do vídeo, em um assunto tão interessante e importante para todos nós, o amadurecimento, que você comparou com o segundo nascimento que ocorre na fase adulta, pela importância que essa transformação é para nós humanos. Depois você emergiu, e novamente como a moça do vídeo fez, e trouxe a superfície do conhecimento todo o esclarecimento de forma clara e leve para seus seguidores. um abraço!

Sérgio Monteiro Lopes
Visitante
Sérgio Monteiro Lopes

Falar o quê? Simplesmente amei o texto e a coreografia. Demais!

Douglas
Visitante
Douglas

Oi, Leandro.
Já fiz o curso resistência e é simplesmente e profundamente um divisor de águas. Realmente transforma e tira uma venda de nossos olhos. É enxergar a matrix, entendê-la e começar a lutar para sair dela. Recomendo fortemente o curso!
Obrigado Leandro pelas transformações.

Livro pra você Leandro. Dumbing us down by John Taylor Gatto.

Renata Ribeiro
Visitante
Renata Ribeiro

Excelente! Como sempre Leandro, uma surpresa a cada leitura. Esse ano tem sido o ano da minha virada e eu dou graças a você, pelo curso Resistência, que foi crucial para me abrir os olhos. Esse artigo veio como uma luva, numa decisão que preciso tomar esse fim de semana. Obrigada mais uma vez e que Deus continue te dando sabedoria e você continue fazendo a diferença.

Flávio Roberto Gomes Giraldi
Visitante
Flávio Roberto Gomes Giraldi

Olá Leandro. Seus textos são sempre muito bons. Você conhece abordar alguns assuntos com uma profundidade incrível. Suas sacadas são muito geniais. As vezes me pergunto como você consegue fazer uma análise tão profunda desses assuntos. Cara, te admiro muito. Seja no Clube dos Poupadores ou aqui. Gostaria de poder bater um bom papo contigo pessoalmente. Você é uma pessoa iluminada pelo que escreve. Através de seus textos muitos leitores, inclusive eu, são influenciados positivamente. Sobre esse texto que você escreveu creio que o tema Amadurecimento é muito complexo. Por mais amadurecidos que sejamos, sempre tem algo em que precisamos… Ler mais »